Com premiação polêmica, Mostra Sururu continua gerando debates

Foto: Mostra Sururu/Divulgação.

A VI Mostra Sururu de Cinema Alagoano se encerrou no último domingo (20), mas continua provocando debates nas redes sociais. O motivo é uma polêmica em torno da decisão do júri, que, numa resolução inédita na história do evento, optou por não oferecer prêmios nas categorias de melhor ator, melhor atriz e melhor direção de arte.

Neste ano, os prêmios da competição se concentraram em três filmes: Cidade Líquida, de Laís Araújo (Prêmio Algás melhor filme e melhor trilha sonora original); Retina, de Paulo Silver (melhor direção de fotografia, melhor desenho de som e melhor montagem), e Tororó, de Celso Brandão (Prêmio SESC do Júri Popular, melhor direção, melhor roteiro, e melhor personagem).

A discussão teve início com um desabafo do ator, preparador de elenco e diretor de elenco, Nilton Resende, um dos concorrentes por sua atuação no filme Monique, de Wladymir Lima.

“Talvez não tenham sido concedidas porque o júri não achou que quaisquer dos concorrentes tivesse uma direção de arte, um ator ou uma atriz que fizessem jus a um prêmio. Sim, o júri pode achar que não houve grandes direções de arte e nem grandes atuações. Mas, considerando uma cena ainda nascente, isso termina por ser um desserviço para o fortalecimento da cadeia produtiva cinematográfica, pela desvalorização de profissionais que trabalharam tanto quanto os das outras categorias. Será que, em não havendo uma ‘grande fotografia’ ou uma ‘grande direção’ ou um ‘grande desenho de som’, teriam tomado a mesma atitude?”, questionou em ele no seu perfil no Facebook.

A postagem gerou vários comentários de apoio à sua indignação, críticas e defesas à mostra, entre outras ponderações sobre a decisão.

Oficialmente, a organização da Mostra Sururu respondeu à postagem apresentando os artigos do regulamento do evento que permitiram a decisão do júri. O artigo 7.3 diz: “A organização da mostra poderá incluir e/ou adequar categorias a serem premiadas de acordo com juízo baseado nos perfis dos filmes selecionados para integrá-la”. Já o 7.5, discorre sobre a posição dos jurados: “Os jurados poderão, separadamente, conceder um prêmio especial e uma menção honrosa, sempre que seja em comum acordo com a direção da mostra, podendo, também, abster-se de conceder qualquer prêmio ou troféu, quando o considere necessário”.

A resposta da organização do evento segue destacando o caráter coletivo da construção do regulamento: “Como todos sabem, o regulamento da mostra foi construído coletivamente e deve ser integralmente respeitado pela produção, pela comissão de seleção e pelo júri. Ao inscrever seu filme na mostra o realizador aceita os termos de participação. Mas, é claro, o regulamento pode ser rediscutido para as próximas edições. A Mostra Sururu é uma construção coletiva”.

Para o Audiovisual Alagoas, Nilton Resende apresentou suas razões. “Minha primeira reação foi a de me perguntar se os filmes de ficção e suas categorias (direção de arte, ator e atriz) estavam tão aquém das categorias premiadas nos documentários. Senti um sentimento de injustiça por julgar não haver tal distanciamento. E principalmente senti revolta por julgar que a atitude do júri, caso tenha julgado os trabalhos tão medíocres, foi algo do tipo ‘pedagogia da palmatória’. Não acho que premiar as categorias suprimidas seria algo que faria uma má direção de arte, um mau trabalho de ator ou um mau trabalho de atriz se considerarem ‘grande coisa’, incorrer nesse erro. Apenas seríamos escolhidos os melhores dessas categorias dentre os concorrentes. E me pergunto: fomos mesmo assim tão ‘maus’?”.

Nilton, que fez a preparação de atores premiados em nível local e nacional, faz questão de frisar que sua atitude não se dá pela derrota na competição. “Sei receber resultados de concursos: quem ganha não deve achar que é o melhor ou que é coisa enorme, mas apenas que agradou ao júri; quem perde não deve achar que é o pior ou que é coisa terrível, mas apenas que não agradou ao júri. O julgamento não é de todo absoluto, a não ser no que diz respeito a um concurso em específico. Não nos premiar por ter esse temor me leva a me questionar se as outras categorias foram realmente tão incríveis, e se não haverá o mesmo risco de os premiados se sentirem ‘grande coisa’”.

JUSTIFICATIVA

O júri da VI Mostra Sururu de Cinema Alagoano foi composto pelo pesquisador, crítico de cinema e jornalista André Dib, de Pernambuco, pela cineasta alagoana radicada em Pernambuco, Nara Normande, e pela documentarista, jornalista e produtora cultural Érica Lima, do Rio Grande do Norte.

Co-diretora do curta-metragem Sem Coração, eleito o melhor filme na Quinzena dos realizadores no Festival de Cannes 2014, Nara explica que a decisão foi um consenso entre os três membros do júri. Para ela, é importante enxergar a Mostra Sururu como uma janela de exibição da produção local, lugar de encontrar profissionais, mostrar seus filmes e debatê-los.

“Esse deve ser o principal papel dos festivais e mostras. Prêmios são apenas consequências do consenso de profissionais de áreas distintas na avaliação da safra de filmes, portanto, não significa que os filmes não premiados têm qualidade inferior aos outros. Sabemos como é tênue e por vezes inexistente a fronteira entre documentário e ficção, e para contemplar a maior gama de filmes, resolvemos transformar a categoria ‘ator’ e ‘atriz’ em ‘melhor personagem’, que abrange tanto as atuações nas ficções, como as performances nos documentários. Tororó do Rojão, símbolo alagoano, foi escolhido por unanimidade. Isso de forma alguma desmerece os atores e atrizes da Mostra, que se dedicaram bastante e reconhecemos seus esforços”, justifica a cineasta.

Nara explica que o júri resolveu não premiar a Melhor Direção de Arte “por uma questão de proposta estética, mas reconhece o trabalho e empenho de alguns filmes, que conseguiram executar uma arte elaborada mesmo com poucos recursos financeiros”, diz.

Antes de realizar o premiado Sem Coração, Nara já havia participado de diversos festivais com seu filme anterior, a animação em stop-motion Dia Estrelado (2011).

“Como realizadora, já tive filmes que não foram selecionados em festivais, que não foram premiados ou que o júri decidiu modificar e suprimir prêmios. Pessoalmente, sempre achei que não cabia a mim não aceitar as premiações/escolhas do júri. São critérios muitas vezes subjetivos e é normal que algumas pessoas não tenham adesão estética aos meus filmes. Filmes não são unânimes. Essa é a melhor hora de nos avaliarmos, nos autocriticarmos, e, principalmente, de crescermos como artistas e profissionais”.

Por motivo de agenda, a documentarista Érica Lima não conseguiu enviar sua opinião até o fechamento desta reportagem. No entanto, ela fez questão de destacar que a decisão do júri da Mostra Sururu 2015 foi um consenso entre os três membros da comissão.

CASO SEMELHANTE

Um caso semelhante à premiação da Mostra Sururu 2015 aconteceu na edição 2014 do Curta Cinema – Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro, um dos principais eventos do gênero no Brasil. Na ocasião, o júri também decidiu não oferecer prêmios nas categorias de elenco.

Curador do festival carioca em 2014 e membro do júri da Mostra Sururu, no mesmo ano, Andy Malafaia reforça que, mesmo diante de decisões rígidas como esta, é fundamental que o veredicto do júri seja respeitado.

“É sempre muito complicado para o festival ao se deparar com uma situação como essa. Não tem como se intrometer na decisão de um júri, que deve ser sempre soberano. Mas lições devem ser aprendidas em momentos de crise e sugiro ao festival rever o regulamento e aos realizadores fazer uma autocrítica”.

SUGESTÕES

Também membro do júri da Mostra Sururu 2015, o crítico de cinema André Dib acompanha os principais festivais de cinema brasileiros desde 2005 e cobre o festival de Berlim todos os anos, desde 2011.

Ele acredita que a atual configuração dos prêmios da Mostra Sururu deve passar por reformulações para se adequar a uma visão mais conceitual e menos técnica.

“Festivais de cinema não precisam ser pautados pelas mesmas categorias estabelecidas pelo Oscar. No caso da academia hollywoodiana até faz sentido, pois trata-se de uma entidade de profissionais do cinema que querem ver seu trabalho reconhecido, independente da qualidade do filme como um todo. Tanto é que quase nunca os melhores filmes são premiados, em detrimento dos que realizados sob uma suposta primazia técnica”, diz ele.

Para o crítico, é preciso combater o senso comum em torno desta segmentação.

“O melhor filme já as inclui, sendo exatamente o que melhor soube utilizar seus recursos financeiros, técnicos e criativos para expressar uma ideia. Melhores filmes não necessariamente são os mais bem acabados ou que ostentam ‘aquela’ fotografia ou atuação, que de tão ‘bem-feitas’, chamam atenção mais pra si do que para a obra. Por outro lado, a maioria das premiações não abre espaço para um reconhecimento mais conceitual, voltado para a criação cinematográfica. Algo como a ‘melhor atuação’ (incluindo nisso a performance em documentários) ou ‘melhor olhar’ voltado para um posicionamento artístico impossível de ser estabelecido sem um ponto de vista próprio, o que inclui não apenas uma visão estética, mas política e até filosófica na abordagem dos temas”, argumenta ele.

A sugestão do crítico é estabelecer o prêmio de melhor filme, com 1º, 2º e 3º lugar, e mais duas ou três categorias que envolvam aspectos criativos visuais e sonoros.

Ouvido pelo Audiovisual Alagoas, Rafhael Barbosa, realizador alagoano e membro da equipe de produção da Mostra Sururu 2015, também se posicionou sobre o assunto.

“Nossa equipe respeita os sentimentos dos profissionais que se sentiram de algum modo prejudicados, assim como também respeita inquestionavelmente o regulamento da mostra e a soberania do júri. A melhor postura a ser a tomada agora é a de reflexão para a construção das próximas edições do evento e também de melhores condições para a nossa produção”, diz ele.

Rafhael informa que o assunto será uma das pautas da primeira reunião do Fórum Setorial do Audiovisual Alagoano. A reunião, que acontecerá no dia 24 de janeiro de 2016, ainda não tem local definido.

_

Matéria produzida coletivamente pela equipe do Audiovisual Alagoas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será divulgado


*