2007

DOCTV

Único ano em que dois documentários alagoanos foram finaciados através do DOCTV

1912 O QUEBRA de Xangô. Roteiro e direção: Siloé Amorim. Co-produção: Siloé Soares de Amorim, Staff Áudio e Vídeo, IZP, Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas. 2007. Média-metragem (52min), sonoro, documentário, vídeo digital.

SINOPSE

Em Maceió, em 1º de fevereiro de 1912, a intolerância racial e religiosa parece ter atingido um dos seus níveis mais violentos. O ‘quebra-quebra’ atingiu todos os terreiros da cidade, convertendo-se em um massacre e deixando marcas profundas na cultura local. Questiona as configurações da política alagoana e suas opressões racistas no início do século passado. Confronta depoimentos de antropólogos, historiadores, negros, pais e mães-de-santo e membros do Movimento Negro em Alagoas. Por meio de seus depoimentos, é analisado o episódio da nefasta noite do dia 1º de fevereiro de 1912.

—–

CALABAR. Direção: Hermano Figueiredo. Roteiro: Hermano Figueiredo e Regina Barbosa. Direção de fotografia: Ivo Lopes. Direção de Produção: Regina Barbosa. Edição: Charles Nortruph. Assistentes de produção: Maria Cláudia, Luana Brennand, Daniele Mendonça, Nataska Conrado e Adso Mendes. 2007. Média-metragem (52min), sonoro, documentário, vídeo digital

SINOPSE

Numa narrativa dinâmica, fazendo uso de recursos plásticos e poéticos, o documentário contrapõe visões sobre o tema e vai além da dicotomia herói-traidor. Lança luz sobre a figura histórica de Calabar: um homem sem rosto para a posteridade, mas que projetou seu nome numa controvérsia histórica para séculos depois da sua morte.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será divulgado


*