Incentivos a Produção Audiovisual Alagoana

A produção audiovisual alagoana foi estimulada através do Festival de Cinema de Penedo (1975-1982), onde realizadores de Maceió, Penedo e outras cidades exibiram sua criatividade e desejos de contar histórias. Ao fim do Festival e surgimento do VHS as produções independentes caíram no ostracismo.

Em 2004 através do prêmio de incentivo nacional DOC TV, os realizadores alagoanos retomaram a busca por exibir seus filmes. Em 2006 a premiação do DOC TV inovou ao contemplar dois roteiros, pois o segundo contou com financiamento do governo do estado, o que não aconteceu na premiação seguinte em 2009.

Em maio de 2008 foi lançado em Maceió o Núcleo de Produção Audiovisual de Alagoas (NPD-AL), que através do Olhar Brasil proporcionou formação, atualização e troca entre os agentes do setor audiovisual, com oficinas em Maceió e no interior.

Em 2009 foi realizada a Mostra Sururu de Cinema Alagoano apresentando um panorama de filmes alagoanos.

Em outubro de 2010 foi realizado o primeiro circuito de exibição em cineclubes alagoanos, com mais de trinta cineclubes participantes espalhados por Alagoas. Este que aponto como quinto impulso, possibilita o diálogo entre os realizadores e o público, e para tanto é preciso que o realizador libere o seu filme para exibição nestes espaços.

Em maio de 2010, houve a retomada do segundo impulso, através da abertura do 1º Edital de incentivo a produção audiovisual em Alagoas, onde cinco projetos foram contemplados com 15 mil reais para sua concretização.

Sobre Larissa Lisboa
Graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas (2008), especialista em Tecnologias Web para negócios (ebusiness), pela Fejal - CESMAC (2010), atualmente é analista em audiovisual do SESC Alagoas. Tem experiência em produção de ações formativas, mostras e documentários, e em curadoria de filmes; na análise e gestão de conteúdo online; e na catalogação de vídeos, com ênfase na produção audiovisual alagoana. Idealizadora e coordenadora do Alagoar (site sobre o audiovisual alagoano) e Diário Refletido (comunidade fotográfica).

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será divulgado


*